novembro 19, 2009

Amor em azul


Além do que meus olhos poderiam ver...
Doses cálidas de afeto que brilhavam os seus olhos no mesmo tom do azul-verde mar. Muito mais cintilava o azul...
E como um ímã, eu permaneci sob sua espera e quis bendizer seu nome em todas as preces que já me fizeram acreditar. E chegar até você.
Parecíamos sair de um mesmo sonho para um encaixe pleno.
E você lembra qual era o plano?
Apenas me recordo dos seus sussuros heteróclitos me ensinando como não pensar diante do mesmo tempo de não esquecer, quando de fato já tinhamos ultrapassado qualquer linha tênue que ousasse nos delimitar.
Divagamos noite a fora. Por dentro!
Sob um céu enfeitado de infinito e ventos lenitivos que beijavam nossos corpos expostos ao amor de sempre mais.
Eu quis te eternizar naquele instante que aprimorava o nosso viver. Eu ansiei seus beijos para além de todo sacrifício, e sua pele como minha tatuagem de estampa estelar.
Tudo em nome da graça que iluminava aquele repente... Em que seguíamos guiados pela gratuidade da entrega, num imenso espaço terno de para sempre caber.

3 comentários:

Vitor Andrade disse...

Doce, lindo, sincero, e profundo.
Mas sobretudo, sincero. Uma sinceridade que vc estampa em poesia, e torna a sua realidade mais bonita, e intensa.
É um pouco do 'ser poeta'!
Tornar a realidade mais intensa, e bela.
Eu sou seu fã, demais.
E amo vc!

Dênnea disse...

Toda arte vem do coração, as palavras são o meio que alma encontra para expressar a verdadeira beleza de uma pessoa. Se você é desprovida de estilo não consegue ser nada além de ctrl+c/ctrl+v. O que não é seu caso, vc é uma poeta nata, quero ser como vc qdo crescer!


Beijooos

Sâmara disse...

Suas palavras,são doces e sinceras, como você!
Eu to numa fase tão zeen,tenha tido uma percepção mais clara e profunda das coisas...
E achei muito lindo o que li..
Que Deus preserve seu dom